HOME / COM a Gente / Estudo dos Discipulados / Atitudes para Desenvolver a Liderança

A Benção da Poda

CASA DE ORAÇÃO MUNDIAL “2012: Ano da Paixão por Deus e da Entrega Absoluta” Discipulado Tema: A Benção da Poda. Texto: Jo. 15:1-20. Introdução: Jesus ensinou aos seus 12 como se pode ser uma árvore que dá frutos, para que a alegria deles pudesse ser completa. Ser frutífero é prazeroso, há sempre grande júbilo quando alcançamos os resultados que Deus deseja. Jesus disse que Ele nos escolheu para virmos e darmos muitos frutos. Como líderes a nossa meta não é apenas produzir frutos, mais também ajudar a outras pessoas a fazerem o mesmo. Nós precisamos ser mais do que pessoas de fé, devemos ser frutíferas. Jesus em sua suprema sabedoria nos traz este ensinamento. Ele é a videira verdadeira, o Pai, o lavrador e nós, os seus ramos. Ao se referir a si próprio como a videira verdadeira, Jesus está claramente dizendo que existem videiras falsas. Para compreendermos melhor, Ele fez uma analogia com a figura da poda. Note que somente os ramos que dão frutos é que são podados. Aqueles que não dão frutos o Pai simplesmente corta. Então a poda existe para o ramo que trabalhou muito bem durante sua estação frutífera, a poda é para prepará-lo para a próxima estação. A poda da árvore varia de espécie para espécie. Para a videira, a poda é necessária e decisiva; principalmente depois do período de frutificação da estação anterior. A poda consiste basicamente em limpar e aparar aqueles galhos e folhas que embora pareçam bonitos e belos impossibilitarão a plena frutificação se não forem tirados. Em nossas vidas o Senhor nos poda com o objetivo de eliminar esses galhos e folhas que parecem belos, mais não são. A poda é dolorosa para nós, porque normalmente envolve o abrir mão de alguma coisa não necessariamente má em si mesma, como prioridades, poder, influência, dinheiro, títulos, sonhos ou qualquer outra coisa que possa vir a tirar o foco. Enfim, a poda vem para nos abençoar, retirando aquilo que poderia nos impedir de frutificar em abundância e qualidade na próxima estação. A poda reflete o compromisso do Senhor com nossas vidas. Se Ele não se importasse conosco, simplesmente não nos podaria e nos deixaria secar sem dar mais frutos. A poda de Deus visa que o ramo alcance seu potencial no reino de dele. Nós temos um grande potencial para sermos frutíferos em nossa liderança, por que: 1) Temos uma fonte de recursos. Jesus é a videira verdadeira. Se estivermos unidos a Ele, produziremos frutos naturalmente. 2) Temos quem cuide de nós. Nosso Pai celestial é o vinhateiro. Ele é o nosso dono e tem cuidado de nós. 3) Temos quem nos dê poda. Deus remove qualquer coisa que esteja prejudicando nossa frutificação. Ele apara as nossas fraquezas. 4) Temos companhia. Nosso trabalho não deve produzir frutos de modo artificial, porque estamos ligados à videira. 5) Temos uma promessa. Se suas palavras habitarem em nós, Ele promete que nossos pedidos serão atendidos. 6) Temos um propósito. Deus nos criou para que o glorifiquemos, produzindo muitos frutos. 7) Somos obedientes. Jesus nos impõe uma única condição para tudo isso: nós lhe devemos ser obedientes, nós devemos permanecer nele, receber dele e produzir para Ele. Ao observarmos uma árvore depois da poda, ela não terá uma aparência aprazível. Pelo contrário, parecerá vazia e feia, mas estará preparada para o que ainda virá, para dar os frutos na próxima estação. Por outro lado a videira falsa continuará bela, bonita e estará cheia de galhos e folhas e será confundida com uma boa árvore por muitos, mas o tempo passará, e ela não dará frutos em abundância e qualidade. Por isso precisamos nos sujeitar a poda do Senhor para desfrutarmos das bênçãos de sermos esvaziados de tudo o que não seja essencial para Ele, ainda que sejam coisas que pareçam bonitas e desejáveis. A poda de Deus não é disciplina, é preparação para um novo tempo, uma nova estação. A disciplina vem por causa dos nossos pecados, para gerar em nós arrependimentos. A poda vem não porque pecamos, mas por que temos dado frutos. Assim também, para nos preparar para o que ainda virá. O Senhor quer nos usar em sua plenitude. Amém.